Egresso de Engenharia Civil conquista Prêmio de Tecnologia em Geossintéticos

Rafael Anibele, recém-formado em Engenharia Civil pela Universidade Estadual de Ponta Grossa, e a orientadora Bianca Penteado de Almeida Tonus comemoram a conquista recente do “Prêmio 2020 de Tecnologia em Geossintéticos Benedito de Souza Bueno”. O estudo, intitulado “Análise em modelo de laboratório da substituição de filtro de areia por geocomposto em barragens de terra”, foi premiado em terceiro lugar na categoria Trabalho de Conclusão de Curso.

A paixão pela geotecnia despertou ainda no segundo ano do curso, na disciplina de Mecânica dos Solos. Rafael explica que a pesquisa surgiu a partir de uma conversa com a professora Bianca Tonus sobre a possibilidade de construção de um modelo de barragem de terra. “Após isso, aprofundamos a ideia, procuramos as melhores maneiras de explorá-lo e levamos a cabo sua construção no laboratório de mecânica dos solos e rochas da UEPG”, lembra Rafael.

Segundo a orientadora, “ele sempre gostou da área, tirava ótimas notas e decidiu fazer o TCC sobre o tema”. Para o estudo, o então estudante montou um modelo reduzido de barragem de terra, que é o tipo de barragem mais comum no Brasil. A compra de uma caixa de acrílico para a montagem do modelo foi realizada pelo departamento de Engenharia Civil da UEPG. Nesse processo, o egresso destacou o apoio do professor Lúcio de Geus, chefe do departamento.

Ao longo da realização do TCC, de acordo com Rafael, foi possível desenvolver todo o potencial que a pesquisa tinha, culminando em um trabalho que agregou muito sua formação. “Todo o processo envolvido em sua elaboração se transformou em bagagem de conhecimento prático e teórico. Receber essa premiação me deixou muito feliz, pois sempre busquei fazer o melhor trabalho possível, e o prêmio mostrou que percorremos o caminho certo”, diz.

A orientadora detalha que o filtro de areia é o mais comum nas barragens de terra e o trabalho do Rafael foi substituí-lo por um geocomposto drenante, que é um material geossintético. “Uma das vantagens dos geossintéticos é a facilidade de instalação. Por serem materiais fabricados, que têm suas propriedades conhecidas e controladas, são utilizados em muitas áreas da engenharia e vêm ganhando cada vez mais espaço”, diz. Bianca Tonus diz que o estudo trouxe bons resultados e demonstrou que o material foi competente no seu papel de drenagem.

Para que o trabalho fosse concluído, Rafael destaca o apoio tanto da orientadora quanto do professor responsável pelo laboratório, professor Carlos Emmanuel Ribeiro Lautenschläger e também do técnico Nilson Ribeiro Bueno.

 

Texto: Luciane Navarro    Fotos: Arquivo