Livro “Geoheritage” recebe prêmio da Associação de Editores das Ciências da Terra

O livro “Geoheritage – assessment, protection and management” (Patrimônio geológico – avaliação, proteção e gestão), editado pelo suíço Emmanuel Reynard e pelo português José Brilha, recebeu o Prêmio 2019 de Publicação Excepcional da Associação de Editores das Ciências da Terra. O livro conta com um capítulo escrito pelo professor Gilson Burigo, do departamento de Geociências da UEPG, em coautoria com a geóloga Flávia Lima e o professor Antonio Rocha-Campos.
Segundo Emmanuel Reynard, a publicação, que pode ser acessada neste link, buscou “fornecer uma visão geral da pesquisa sobre patrimônio geológico em escala mundial, mas também documentar exemplos de gestão, regulamentação, promoção e proteção de geossítios em nível nacional ou local”. Como destaca a divulgação do prêmio, um dos membros da equipe de avaliação descreveu o livro como um dos mais bem escritos, bem editados e importantes na área das Ciências da Terra que ele já havia lido. O prêmio é atribuído a somente um livro por ano, por contribuições aos estudos de geociências que estimulem novas descobertas e avanços no campo.
No capítulo 23, escrito por Burigo, Lima e Rocha-Campos, é analisado o caso do Parque do Varvito, em Itu-SP. Além de descrever as iniciativas brasileiras para geoconservação, o texto apresenta o valor científico e histórico do parque e conta sobre o prioneirismo na transformação de uma padreira em um parque com alto índice de visitação anual. “O Parque do Varvito, em Itu (SP), é considerado uma das ações pioneiras de geoconservação e promoção das geociências no Brasil, tombado como patrimônio cultural graças à sua importância geológica e uma das áreas clássicas no país para a formação de profissionais das Ciências da Terra e divulgação científica em geral”, destaca o professor Burigo.
Como conta Burigo, Rocha-Campos, co-autor do capítulo, foi um dos principais pesquisadores brasileiros sobre antigas glaciações e decisivo para a implantação do Programa Antártico Brasileiro (Proantar). O pesquisador faleceu em julho deste ano.
Texto: Aline Jasper