Hospital Universitário realiza curso de inserção de cateter venoso (PICC)

Enfermeiros e residentes de enfermagem realizaram, no último domingo (08), um curso de punção de cateter central de inserção periférica (PICC) no Hospital Universitário da UEPG. O curso aconteceu durante os períodos de manhã e tarde e contou com uma parte teórica e estações práticas.

“Este curso habilitou os residentes de enfermagem, enfermeiros do serviço e da cidade para realizarem o procedimento de punção de cateter central de inserção periférica, que é um procedimento privativo do enfermeiro que só pode ser realizado por profissionais habilitados”, conta Melina Lopes Lima, coordenadora do Centro de Simulação Realística do HU-UEPG. Foram capacitados 27 enfermeiros, sendo 12 residentes em saúde do idoso, 2 residentes em neonatologia, 3 enfermeiros de outros serviços da cidade e 10 enfermeiros do serviço do Hospital Universitário.

O curso foi ministrado pelos enfermeiros Juliana Cristina Estefanski da Silva, Simonei Bonatto, Guilherme Arcaro e Danielli de Souza Machado, e abordou o caráter prático e teórico da utilização do dispositivo. O PICC é um dispositivo utilizado para administrar substâncias que não podem ser inseridas perifericamente ou para utilizar o acesso por um longo período de tempo, para administrar antibióticos, antifúngicos, hemoderivados, nutrição parenteral, quimioterápicos, dentre outros.

Durante o curso, foram abordados o histórico do uso de administração de substância na rede venosa e o início da utilização do cateter de PICC, gerenciamento de risco na terapia endovenosa, perfil do paciente que possivelmente utilizará o catéter, conceito e legislação, indicações e contraindicações da inserção do PICC, anatomia do sistema vascular, manutenção do cateter, interação medicamentosa, contraindicação de utilização para administrar determinadas infusões, complicações e cuidados, além de um momento reflexivo com relação à utilização do PICC, cuidados e o papel do enfermeiro neste contexto.

Nas estações práticas, foi possível aprender a técnica do preparo da pele, preparo do material, inserção, fixação, troca de curativo e retirada do PICC, por meio da simulação de todas as etapas do procedimento. “Os alunos fizeram a seleção do material, medição do cateter, degermação das mãos, paramentação, colocação de campos estéreis, antissepsia da pele, inserção do cateter, e aprenderam dicas para facilitar a passagem do cateter, cuidados com o cateter, confirmação do cateter em raio x e como fazer o botão anestésico”, enumera Melina.

A coordenadora conta ainda que há a previsão de uma nova edição do curso em fevereiro, para capacitar mais profissionais interessados. “A nova edição terá uma duração maior, de um dia e meio de curso, e contará com uma estação de punção de acesso central guiada por ultrassom”, antecipa.

Texto e fotos: Aline Jasper