RUF destaca proximidade entre UEPG e setor produtivo

A Universidade Estadual de Ponta Grossa se destacou entre as melhores universidades do Brasil, de acordo com a edição de 2019 do Ranking Universitário da Folha (RUF), divulgado na segunda-feira (7). O RUF aponta aumento significativo da UEPG nos quesitos mercado e inovação, indicadores que medem o envolvimento da instituição com o setor produtivo.

Universidade Estadual de Ponta Grossa avançou 32 posições no quesito Mercado em comparação ao ano passado. Neste indicativo, o ranking avalia a opinião de empregadores sobre preferências de contratação. Já no indicativo de inovação, é avaliado o número de patentes pedidas pela universidade, e a quantidade de estudos da instituição em parceria com o setor produtivo.

O ranking indica a UEPG como a 4º melhor universidade do Paraná no indicador de pesquisa. Na classificação nacional, a Universidade ficou em 40º no indicador de pesquisa e 44ª no quesito inovação. A UEPG ficou entre as 60 instituições com mais patentes solicitadas e artigos em colaboração com o setor produtivo.

Na avaliação de pesquisa, melhor posição da UEPG, são considerados nove componentes que determinam a classificação da universidade, como o total de publicações, total de citações, citações por publicação, publicações por docente, citações por docentes, publicações em revistas nacionais, recursos recebidos por instituição, bolsistas CNPq, e número de teses defendidas.

O professor Miguel Arcanjo de Freitas Júnior é diretor da Agência de Inovação e Propriedade Intelectual (AGIPI) da UEPG e comenta a satisfação em ver a universidade se destacar no indicativo de inovação entre as instituições do Paraná. “A atual gestão está comprometida com a consolidação das ações já estabelecidas como patentes, acordos de cooperação, prestações de serviços, além do início de incubação de novas empresas e startapus. Essas ações aproximam a UEPG de todos os setores da sociedade, inclusive do setor produtivo, e potencializa ainda mais a vocação da UEPG no que se refere a melhoria da qualidade de vida da população e da resolução dos problemas sociais”, destaca.

As universidades estaduais do Paraná estão entre as mais inovadoras do Brasil entre 196 universidades brasileiras, públicas e privadas de acordo com indicadores de inovação, pesquisa, internacionalização, ensino e mercado.

Sobre o RUF

O RUF (Ranking Universitário Folha) é uma avaliação anual do ensino superior do Brasil feita pelo jornal Folha de S. Paulo desde 2012. O Ranking avalia todas as universidades ativas do país que usa dados nacionais e internacionais, e duas pesquisas de opinião do Datafolha.

No ranking de universidades estão classificadas as 197 universidades brasileiras, públicas e privadas, a partir de cinco indicadores: pesquisa, internacionalização, inovação, ensino e mercado.

A Agência de Inovação e Propriedade Intelectual (AGIPI) da UEPG

A AGIPI é um órgão suplementar vinculado à Reitoria é a unidade responsável pela implantação e gestão de políticas institucionais de inovação, propriedade intelectual, transferência de tecnologia e incubação de projetos de base tecnológica.

Os primeiros anos de existência da AGIPI (2008/2010) foram marcados fortemente pelo trabalho de estruturação física e patrimonial da nova unidade administrativa, e principalmente, pela disseminação da cultura da propriedade intelectual junto aos programas de pós-graduação, alunos da graduação e bolsistas de iniciação científica e desenvolvimento tecnológico.

Num segundo momento, a motivação maior foi dada aos processos de patenteamento dos direitos da propriedade industrial da UEPG e dos ajustes de titularidade de pedidos de patente com instituições parceiras, cujos resultados das pesquisas obtidas, mostravam-se promissores em termos de transferência de tecnologia para o mercado.

No ano de 2018, como resultado de um somatório de esforços de todos esses anos, a Universidade Estadual de Ponta Grossa recebe os primeiros royalties de uma patente depositada em conjunto com empresa de Santa Catarina, a Odeme Equipamentos Médicos e Odontológicos Ltda. O objetivo maior foi atingido, ou seja, transformamos um conhecimento produzido em nossos laboratórios e pesquisadores, que após validado em escala industrial pela empresa parceira, atingiu o mercado e se mostrou inovador neste ramo de atividade econômica.

Atualmente, a Agipi gesta 105 depósitos de pedido de patente (mantendo um crescimento constante da ordem de onze pedidos de patente/ano em média nos últimos nove anos), sendo que dentre estes já existe cinco Cartas Patentes concedidas (uma nos EUA e quatro no Brasil), dez registros de Software Concedidos, um registro de Marca concedida, quatro Acordos de Cooperação Técnico Científica com empresas locais e da região metropolitana de Curitiba, além de apoiar as empresas juniores instaladas no Centro Empre$arial Jr. localizado no Centro de Convivência do Campus Uvaranas da UEPG.

 

Texto: Saori Honorato