CARTAS À REDAÇÃO

 

São Paulo, 12 de junho de 1997.

Caro Professor,

Exatamente como V. Exa. e os demais membros do Conselho Consultivo da Revista Jurídica da UEPG, acredito, com a alma, que "a qualificação do corpo docente é solução para a melhoria do ensino".

Esta razão, a seriedade da V. Instituição de Ensino, a elevada qualificação científica do corpo de docentes que integram o referido Conselho Consultivo são, todas elas, mais que suficientes motivos para prontamente aceitar, honrada e encantada, o convite para integrar dito Conselho.

Coordenada por V. Exa., a Revista por certo alcançará o desiderato inicialmente pretendido e será publicação de sucesso, indispensável ao meio jurídico.

Envio-lhe, em anexo, para a biblioteca do Departamento de Direito da Universidade Estadual de Ponta Grossa, um exemplar de meu livro recentemente publicado.

Estarei, outrossim, produzindo, em breve, um artigo, em Direito Civil, para publicarmos na ‘nossa’ Revista.

Cumprimento V. Exa., engrandecida pelo honroso convite, rogando que transmita meus cumprimentos aos demais colegas do Conselho Consultivo.

GISELDA MARIA FERNANDES NOVAES HIRONAKA

Professora-doutora do Departamento de Direito Civil da

Faculdade de Direito da Unviersidade de São Paulo

 

São Paulo, 10 de junho de 1997.

Prezado eminente professor:

Somente agora respondo sua prezada carta datada de 16 de maio deste ano, pois só há poucos dias a recebi. Fiquei deveras satisfeito em tomar conhecimento de sua iniciativa que acho muito opotuna.

Creia que V. Sa. Poderá contar com minha total colaboração, não só incluindo o meu nome no Conselho Consultivo, como também em breve tempo espero enviar-lhe artigo sobre tema jurídico da atualidade.

Augurando sucesso no empreendimento, apresento-lhe, meu caro professor, meus protestos de estima e distinta consideração.

WALDÍRIO BULGARELLI

Professor Titular de Direito Comercial da

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo

 

São Paulo, 02 de junho de 1997.

Senhor Editor da REVISTA JURÍDICA:

Honrado com o convite, aceito integrar o Conselho Consultivo da REVISTA JURÍDICA DA UEPG, entidade que conheço, na qual já estive duas vezes e admiro o magnífico trabalho que realiza pela nossa cultura.

Renovo os meus cordiais cumprimento,

Atenciosamente,

AMAURI MASCARO NASCIMENTO

Professor Livre Docente da Universidade de São Paulo

 

Londrina, 04 de junho de 1997.

Caro Senhor Professor:

Parabenizando a iniciativa de V. Sas. pela criação da REVISTA JURÍDICA desta r. Instituição, manifestamos, expressamente, nossa honra ao aceitar o convite para integrar o Conselho Consultivo do referido periódico.

Cordiais saudações universitárias,

JUSSARA SUZI ASSIS B. NASSER FERREIRA

Profª. Doutora, Coordenadora do Curso de Mestrado em Direito da Universidade Estadual de Londrina

 

Maringá, 22 de maio de 1997.

Senhor Professor:

Acusamos o recebimento do Ofício n.º 030/97, no qual fomos indicados para compor o Conselho Consultivo da REVISTA JURÍDICA DA UEPG.

Ficamos lisonjeados com a indicação de nosso nome, bem como pelo reconhecimento de nosso trabalho.

Agradecemos ao convite que nos foi feito, aceitando o mesmo com prazer e tudo faremos para cumprir com o que nos for solicitado.

Restrito ao exposto, manifestamos a V. Sa. protestos de elevada estima e consideração.

Atenciosamente,

LUIZ REGIS PRADO

Prof. Doutor, Coordenador do Curso de Mestrado em Direito da Universidade Estadual de Maringá

 

São Paulo, 26 de maio de 1997.

Prezado Senhor:

Acuso o recebimento do convite encaminhado por V. Sa. para participar do Conselho Consultivo da REVISTA JURÍDICA DA UEPG, esclarecendo que aceito o convite formulado e que me sinto honrado em poder trabalhar com tão nobres Professores.

Aproveito a oportunidade para reiterar protestos de elevada estima e consideração.

CELSO ANTÔNIO PACHECO FIORILLO

Vice Diretor da Faculdade de Direito da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

 

Curitiba, 02 de junho de 1997.

Senhor Professor:

Honrado com o convite para integrar o Conselho Consultivo da REVISTA JUDÍRIDA DA UEPG, venho expressar minha anuência à indicação, ao tempo em que cumprimento Vossa Excelência pela oportuna iniciativa do Departamento de Direito da UEPG em criar a Revista.

Com consideração e apreço, subscrevo-me,

Atenciosamente.

ALFREDO ASSIS GONÇALVES NETO

Presidente da O. A. B. - Seção Paraná

Professor Doutor da Universidade Federal do Paraná

 

Curitiba, 20 de maio de 1997.

Prezado Prof. Fagundes Cunha:

Cumprimentando-o cordialmente, acuso o recebimento de seu fax e agradeço o honroso convite para integrar o Conselho Consultivo da REVISTA JURÍDICA DA UEPG. Ao mesmo tempo em que parabenizo a iniciativa, louvável a todos os títulos, aceito honrado o convite a mim formulado, destacando a importância de apresentar, no horizonte jurídico, um veículo de relevante comunicação, interlocução e pesquisa, abrindo para o Direito os cenários do diálogo comprometido com o tempo presente e as emergentes questões contemporâneas das novas demandas da cidadania e da juridicidade.

Grato e meus sinceros parabéns! Cordialmente,

LUIZ EDSON FACHIN

Professor Doutor da Universidade Federal do Paraná e do Instituto Brasileiro de Estudos Jurídicos - IBEJ

 

São Paulo, 05 de junho de 1997.

Prezado Professor:

Agradeço a gentileza de me haver convidado para compor o Conselho Consultivo da REVISTA JURÍDICA da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG).

Aceito a incumbência com muito prazer e, na medida do possível, colaborarei com a Revista.

Sem mais no momento, com a maior consideração, subscrevo-me, cordialmente,

MANOEL GONÇALVES FERREIRA FILHO

Professor Doutor da Universidade de São Paulo

 

São Paulo, 09 de junho de 1997.

Senhor Doutor Editor da Revista Jurídica da UEPG:

Profundamente honrada com o convite de Vossa Excelência, para compor o Conselho Consultivo da Revista Jurídica da UEPG, venho confirmar a aceitação do mesmo.

Coloco-me já, a disposição desta nobre Instituição esperando atendê-los no que foi possível.

Renovo a Vossa Excelência, os protestos de elevada estima e distinta consideração.

 

MARIA CELESTE CORDEIRO LEITE DOS SANTOS

Professora Doutora da Universidade de São Paulo

 

São Paulo, 18 de julho de 1997.

Eminente Professor FAGUNDES CUNHA:

Recebi seus ofícios e muito agradeço seu honroso convite para, eventualmente, colaborar com artigos para a Revista Jurídica da UEPG e integrar o Conselho Consultivo.

De pleno acordo com suas solicitações, aproveito o ensejo para enviar-lhe minhas,

saudações universitárias.

RUY BARBOSA NOGUEIRA

Catedrático da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo

 

Instituto de Direito

Prezado Colega Fagundes Cunha:

É com imensa satisfação e orgulho que iremos fazer o lançamento de seu livro Questões Controvertidas nos Juizados Especiais, em co-autoria com o Prof. José Jairo Baluta, no IV SIMPÓSIO NACIONAL, dias 17 a 19 deste mês, no Hotel Glória - Rio de Janeiro.

Aproveito do ensejo para solicitar-lhe os valiosos préstimos no sentido de convidar, em nosso nome, os Desembargadores Henrique Chesneau Lenz César e Darcy Nasser de Melo, cuja presença em nosso evento nos honrará sobremaneira.

No mais, receba os melhores votos de sucesso na trajetória do novo livro prestes a ser lançado, a par de nossas cordiais e calorosas saudações.

James Tubenchlak

Cooordenador

 

Sensibilizado fiquei ao ser distinguido com o convite para prefaciar este livro do Dr. J. S. Fagundes Cunha, meu ilustre colega magistrado, que, em parceria com o Dr. José Jairo Baluta, vêm trazer a lume mais uma obra que, por certo, há de prestar uma contribuição inestimável com os operadores do direito, principalmente os estudiosos da matéria.

Enfrentando corajosamente temas por demais polêmicos, os autores defendem, intransigentemente, o acesso à Justiça, da forma mais ampla possível, pelas camadas hipossuficientes, exaltando a interiorização do segundo grau de jurisdição como uma das mais importantes conquistas da legislação dos Juizados Especiais.

Ao discutir questões que envolvem a reforma do sistema judicial, no sentido de torná-lo mais eficiente e acessível, não se amedrontam os autores ao se depararem com importantes fatores sócio-culturais adversos. E, nesse ponto, aproveitam para fazer um breve estudo, currente calamo, comparativo com a situação da ministração da Justiça em outros países, notadamente os do Mercosul, onde o instituto da mediação vem sendo aplicado e festejado como a esperança de solução para a crise do setor, numa tentativa heróica de evitar o processo com suas inexoráveis desvantagens, ou, pelo menos, torná-lo mais acessível e célere.

Com efeito, a grave deficiência constatada na aplicação do proceso civil para defesa dos direitos individuais tem acirrado a preocupação e a criatividade dos doutrinadores e dos aplicadores do Direito. Na verdade, os Juizados Especiais trouxeram novo alento para o resgate do prestígio e da credibilidade do Poder Judiciário. Efetivamente, a atual sociedade de massa, com um número cada vez maior de conflitos de interesses, torna obsoletos os tradicionais conceitos e mecanismos processualísticos.

O leitor terá a oportunidade de constatar na presente obra a efervescência da prática forense cotidiana que constituiu berdadeiro ‘laboratório’ de experiências para o conteúdo do livro, trazendo substancial colaboração para o aprimoramento do novo sistema processual.

Des. DARCI NASSER DE MELO

Vice-Presidente do egrégio Tribunal de Justiça do Estado do Paraná. Supervisor Estadual dos Juizados Especiais.