Sinimbu,Colônia

 

Em Palmeira, os alemães do Volga que ali chegavam eram encaminhados para uma "colônia sede", uma espécie de pousada onde os imigrantes ficavam alojados. Posteriormente eles eram destinados para as terras nas quais se fixariam e constituiriam moradia. Essa colônia sede recebeu o nome de Sinimbú, em homenagem ao Presidente do Conselho de Ministros da época, o Sr. João Lins Vieira Cansação de Sinimbú, ou simplesmente, Visconde de Sinimbú.
Enquanto aguardavam a designação das terras que iriam colonizar, os homens trabalhavam provisoriamente para o governo na construção de estradas, ruas e casas na cidade de Palmeira recebendo pelas jornadas um determinado salário.
Designados os núcleos ou colônias de povoação na região de Palmeira, estas foram divididas em católicos e luteranos. Para os luteranos foram designados os núcleos de Marcondes (Pugas), Hartmann (Quero-Quero), Papagaios Novos; para os católicos os núcleos de Nossa Senhora do Lago, Santa Quitéria e Alegrete. Vale lembrar que nesse processo de instalação, que muitas vezes demorava, vários colonos acabaram permanecendo na cidade de Palmeira.
Desses núcleos prosperaram apenas os de Marcondes (Pugas), Nossa Senhora do Lago, Hartmann (Quero-Quero) e Papagaios Novos. O núcleo de Santa Quitéria sofreu uma transformação, foi fracionado em várias pequenas fazendas isoladas que se descaracterizaram como colônias de imigrantes. O núcleo Alegrete não chegou sequer a ser povoado, e, portanto, não tornou-se núcleo de colonização.
Aproximadamente 50 % das famílias vindas para a colônia Sinimbú não se fixaram nas regiões onde lhes foram destinados os lotes de terra. Isto ocorreu por vários motivos. Dentre os imigrantes, muitos não se habituaram com o clima das colônias, ou até mesmo com os costumes brasileiros e migraram para outras regiões e países. Havia ainda aqueles que não se adaptaram ao trabalho agrícola e procuraram se fixar nas cidades onde desenvolveram os ofícios de sapateiros, ferreiros, alfaiates e etc.
Após o assentamento dos colonos nas terras para eles destinadas e a conseqüente efetivação dos núcleos de colonização, a "colônia sede" Sinimbú perdeu sua razão de existir e foi extinta.

Pesquisa:
Marta Auer

Texto:
Marta Auer

Referências bibliográficas:
SCHWAB, Carlos Alberto. Resumo histórico e genealogia dos Alemães do Volga. Campo Largo - PR: Editora Paranaense, 1997.
PE. JOSÉ CARLOS VELOSO JR no prefácio do livro: MÜLLER, Estevão. Além dos Mares a Liberdade - Alemães do Volga, A epopéia de um povo de Estevão Muller. São Paulo: Edições Loyola, 1996.
HOETZSCH, Otto. A evolução da Rússia. Lisboa: Editorial Verbo, 1966.
TOMPKINS, Stuart Ramsey. A Rússia através dos tempos. Rio de Janeiro: Cia Editora Leitura, 1945.
CHANINOV, Brian. História da Rússia. Portugal: Livraria Tavares Martins, 1965.
Enciclopédia Encarta
BACH, Arnoldo Monteiro. Carroções. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2003.
LOPES, José Carlos Veiga. Raízes de Palmeira. Paraná: Academia Paranaense de Letras, 2000.
MAYER, Tereza W. Memórias de Palmeira - Vol. I. Palmeira: Editora Cidade Clima, 1996.
MAGALHÃES, Marion Brepohl de. Presença alemã no Brasil. São Paulo: Editora UNB, 2004.
BACH, Arnoldo Monteiro. Alemães do Volga - Informativo Instituto Histórico e Geográfico de Palmeira. Palmeira: Editora Cidade Clima, 2003.
SCHNELL, Rogério. Imigração russo-alemães: Os alemães do Volga. Palmeira: Prefeitura Municipal de Palmeira, 2004.