Araújo, Adalto de

 

Nascido de em Ponta Grossa (Pr), em 1922. Bacharelou-se em Direito pela Faculdade de São Paulo. Advogado, jornalista, poeta, colaborou em diversos jornais e revistas literárias do estado natal. Em dupla com o poeta Colombo de Sousa, participou da redação da revista Prata da Casa (Curitiba) e dirigiu a Página Literária do Jornal do Paraná (Ponta Grossa), em parceria com Faris Michaele, de 1945 a 1954. Foi membro do Centro Cultural Euclides da Cunha )Ponta Grossa). Afastado do meio da intelectualidade para cuidar da vida profissional, continuou a produzir incessantemente, embora não tenha publicado novos livros. Sua obra poética revela um dizer próprio forte e original, de que resultam textos muito bem realizados. Faleceu em Curitiba, em 1992. Publicações poéticas: Dansa das Nuvens (1945); Cântico para o Século XX (1952). (Vera Marilha Florenzano).


São Jorge, volta!...

São horas de voltar, Cavaleiro Celeste.
São horas de encilhar o teu cavalo,
De vestir a armadura e empunhar o estandarte.
São Jorge, volta!...
Volta à Terra: Os meninos precisam de ti.
Ninguém vê o dragão devorador.
Está ali. Está aqui, em toda a parte.
O dragão está nas ruas da cidade
E tem fome e as crianças não o vêem.
O dragão está nos pássaros de ferro.
Tem milhões de soldados sanguinários.
As crianças são ingênuas tu bem sabes
E brincam pelo mundo.
Umas brincam nas fábricas enormes.
Outras brincam a rir entre os trigais.
Outras brincam lá no fundo
Das minas, algumas de profissionais,
Uma ou outra de governadores.
Eu sei que não mereço, mas se vieres,
Arma-me cavaleiro. Dá-me lança e armadura.
Arma os jovens de todos os recantos
Que é preciso vencer o dragão.

Palavras-chave: Ponta Grossa, cultura, poesia.

Referências Bibliográficas:
Jornal do Paraná. Ponta Grossa.
Ribas Silveira. Antologia Pontagrossense. Ponta Grossa: [s. n.], 1960.
Tapejara. Ponta Grossa.