Ângelis, Eleonora Amaral de

 

Nascida na cidade paranaense de Guarapuava, em 1906. Por volta de 1930, fixou residência em Ponta Grossa, no mesmo Estado, onde, mais tarde, se licenciou em Letras Neo-Latinas pela Faculdade de Filosofia. Lecionou em diversos estabelecimentos de ensino da Princesa dos Campos, participando ativamente da vida cultural da cidade. Pertenceu à Academia de Letras do Paraná, ao Centro Paranaense Feminino de Cultura, à União Brasileira dos Trovadores, ao Centro Cultural Euclides da Cunha (Ponta Grossa) e à União Brasileira de Escritores. Na Academia Feminina de Letras do Paraná, ocupou a cadeira n.º 38, que teve como patrona Saza Lattes. A produção poética de Eleonora de Ângelis revela a paisagem como sua grande temática. Numerosos poemas são nutridos de uma percepção fina e encantadora da natureza e se concretizam em imagens ora fortes, ora suaves, cobertas de sentimento melancólico, sem vestígio de amargura. Faleceu em 1991. Publicação poética: Cristais Sonoros (1972). (Vera Marilha Florenzano).

É tempo de acordar!

Dormes, há tanto tempo dormes
pregado numa cruz, ó Cristo!
De olhos fechados, faces tristes
e maceradas pela dor,
não vês e nem ouves os horríveis
fatos que se passam no mundo.
Abre os teus olhos, vê e escuta:
o ribombar de tantas bombas
nas experiências nucleares...
olha a corrida armamentista
das nações mais fortes do mundo,
incentivando os seus cientistas
na busca da mais cruel arma
que arrasará a terra inteira!...
No entanto todas mentem, mentem,
pregam paz, mas preparam guerra!
Abre os teus olhos e vê, ó Cristo,
o desamor que há entre os homens,
a ambição que desune os líderes...
Ninguém faz nada por ninguém,
numa abulia universal!
Que será do mundo, meu Cristo,
se continuas a dormir,
sempre a dormir na tua cruz?
Tem piedade dos que rezam
e esperam pela tua paz.
Acorda, é tempo de acordar!

Palavras-chave: Ponta Grossa, cultura, poesia.

Referências Bibliográficas:
Acervo familiar
Santos, Pompília Lopes. Sesquicentenário da Poesia Paranaense – antologia. Governo do Paraná José Richa. Curitiba: Secretaria da Cultura e do Esporte, 1985.
Ribas Silveira. Antologia Pontagrossense. Ponta Grossa: [s. n.], 1960.