Alves, Fidelis Augusto

 

Nasceu no Estado do Rio de Janeiro, em 1881. Fez as primeiras letras em sua terra natal. Posteriormente foi aluno da Escola de Cadetes de Realengo, de onde foi desligado por participar de uma revolta de alunos contra o governo e enviado para as fileiras do exército, em serviço de fronteira com o Paraguai e Argentina. Ao dar baixa, estabeleceu-se como comerciante em Foz do Iguaçu (Paraná). Em 1920, transferiu residência para Ponta Grossa, no mesmo Estado, onde exerceu a função de contabilista de diversas firmas da cidade. No governo de Vítor Batista, foi contratado como tesoureiro da prefeitura e posteriormente exerceu a função de secretário municipal, no governo do Sr. Albari Guimarães. Publicou seus escritos em diversos jornais e revistas. Homem de reto caráter, pai de família exemplar, espiritualista, sempre se deixou comover pela dor e fragilidade humanas, escrevendo textos que revelam essa faceta de sua personalidade. Foi membro do Centro Cultural Euclides da Cunha (Ponta Grossa). Faleceu em 12 de maio de 1960. (Vera Marilha Florenzano).

Caveira

Ridículo destroço
Oco
De gente,
Olhos encovados,
Boca rasgada fartamente,
Deixando à mostra um toco
De osso
Que já foi dente...

Mais ao centro, uma fenda nos diz
Onde estava o nariz;
E aos lados se avistam duas covas parelhas
Que, comicamente,
Serviram a um par de orelhas...

Dize-me, troféu humano,
A quem serviste na terra.
A algum demente?
A um soberano?
A alguém cheio de insciência ou rico de talento?
A um reles vagabundo,
A um homem sério
Ou a um nobre opulento?
E onde?

Nada o despojo responde,
Naturalmente
Consigo guarda o seu mistério...

Reparo agora
Que, pelos modos, a caveira ri da gente,
De todos escarnece;
E que, embora
Silente,
Parece
Que está a dizer
Assim:
- Grandeza,
Vaidade, orgulho, ambição,
Luxo, arrogância, riqueza,
Beleza material...
E' tudo nada neste mundo vão,
E' tudo zero!
Ó pobre humanidade,
Eu quero
Que tu vejas em mim
A grande realidade
Do FIM universal!

Palavras-chave: Ponta Grossa, cultura, poesia.

Referências Bibliográficas:
Acervo familiar.
Diário dos Campos. Ponta Grossa.
Rodrigo Junior; Plaisant, Alcebíades. Antologia Paranaense. Curitiba: Mundial, 1938.
Ribas Silveira. Antologia Pontagrossense. Ponta Grossa: [s. n.],1960.